História

santa-brancaVirgem e Mártir Santa Branca

 

em latim e no martiologio Romano chamada Albina, é uma Virgem e Mártir
dos primeiros séculos da Igreja. O Martiologio a nomeia em 16 de dezembro entre
os mártires do terceiro século.
Na perseguição do Imperador Décio sofreu glorioso martírio.
O Tirano coroado de Roma percorria as regiões do seu vasto império, disposto a
extinguir o Cristianismo condenando a morte e a toda sorte de suplícios os
cristãos; chegou a Cesárea na Palestina e ali obrigaram um virgem cristã, chamada
Albina (Branca) à comparecer diante do imperador, para renegar a fé em Cristo, ou
receber a sentença de morte.
A jovem apresentou-se ante o Tribunal com toda a majestosa serenidade e alegria
com que os fiéis em Cristo corriam para o martírio e a morte.
Décio ao vê-la tentou seduzi-la para que renunciasse ao Cristianismo. Em vão.
Nem promessas, nem ameaças, nada pode vencer a constância e a decidida e firme
resolução da Virgem cristã de sempre guardar a virgindade e o amor a Jesus Cristo.
O Imperador indignado mandou que a jovem fosse açoitada cruelmente. Depois a
prenderam em cadeias de ferro e a lançaram na prisão.
Sofreu outros martírios para que fosse obrigada a renegar a Jesus Cristo e a sacrificar
aos ídolos pagãos.
Décio o cruel imperador viu ser inútil toda e qualquer ameaça ou martírio por mais
horroroso para vencer a constância de Branca. E depois de a Ter feito sofrer tanto,
ordenou que fosse decapitada.
E o carrasco cortou- lhe a cabeça a machado. O corpo da Virgem e Mártir foi depositado
numa barca e lançado ai mar, indo a barca aportar diz o martiologio, em Scauri- im locum
Qui dicitur Scauri.
Em Paris se venera numa das suas antigas Igrejas construídas no século XV, relíquias de
Santa Branca, e a devoção a Gloriosa Virgem e Mártir se tornou antiga muito popular na
França.
O Martiologio Romano, lembra o nome de Santa Branca (Albina) em 16 de dezembro.
Em Paris a festa de Santa Branca, se celebra em 26 de setembro (em nossa cidade também
celebramos neste dia).
O Martiologio lembra ainda uma Santa Branca (Albina) entre os mártires de Lyon cuja a festa
se comemora em 2 de junho.
A nossa Gloriosa Virgem e Mártir porém não há dúvida é aquela mesma da perseguição de Décio
no III século e que gloriosamente sofreu por Jesus Cristo, conquistando a dupla Palma do
Martírio e da Virgindade.
Esta é a Padroeira gloriosa da cidade que se honra de lhe trazer o nome ” Santa Branca “,
no Estado de São Paulo.
Virgem e Mártir Santa Branca
Branca em latim e no martiologio Romano chamada Albina, é uma Virgem e Mártir dos primeiros séculos da Igreja. O Martiologio a nomeia em 16 de dezembro entre os mártires do terceiro século.
Na perseguição do Imperador Décio sofreu glorioso martírio.O Tirano coroado de Roma percorria as regiões do seu vasto império, disposto a extinguir o Cristianismo condenando a morte e a toda sorte de suplícios os cristãos; chegou a Cesárea na Palestina e ali obrigaram um virgem cristã, chamada Albina (Branca) à comparecer diante do imperador, para renegar a fé em Cristo, ou receber a sentença de morte.
A jovem apresentou-se ante o Tribunal com toda a majestosa serenidade e alegria com que os fiéis em Cristo corriam para o martírio e a morte.
Décio ao vê-la tentou seduzi-la para que renunciasse ao Cristianismo. Em vão. Nem promessas, nem ameaças, nada pode vencer a constância e a decidida e firme resolução da Virgem cristã de sempre guardar a virgindade e o amor a Jesus Cristo. O Imperador indignado mandou que a jovem fosse açoitada cruelmente. Depois a prenderam em cadeias de ferro e a lançaram na prisão.
Sofreu outros martírios para que fosse obrigada a renegar a Jesus Cristo e a sacrificar aos ídolos pagãos.
Décio o cruel imperador viu ser inútil toda e qualquer ameaça ou martírio por mais horroroso para vencer a constância de Branca. E depois de a Ter feito sofrer tanto, ordenou que fosse decapitada.
E o carrasco cortou- lhe a cabeça a machado. O corpo da Virgem e Mártir foi depositado numa barca e lançado ai mar, indo a barca aportar diz o martiologio, em Scauri- im locum Qui dicitur Scauri.
Em Paris se venera numa das suas antigas Igrejas construídas no século XV, relíquias de Santa Branca, e a devoção a Gloriosa Virgem e Mártir se tornou antiga muito popular na França.
O Martiologio Romano, lembra o nome de Santa Branca (Albina) em 16 de dezembro.
Em Paris a festa de Santa Branca, se celebra em 26 de setembro (em nossa cidade também celebramos neste dia).
O Martiologio lembra ainda uma Santa Branca (Albina) entre os mártires de Lyon cuja a festa se comemora em 2 de junho.
A nossa Gloriosa Virgem e Mártir porém não há dúvida é aquela mesma da perseguição de Décio no III século e que gloriosamente sofreu por Jesus Cristo, conquistando a dupla Palma do Martírio e da Virgindade.
Esta é a Padroeira gloriosa da cidade que se honra de lhe trazer o nome ” Santa Branca “, no Estado de São Paulo.